Percurso de adeus, de Evandro Calafange de Andrade



Percurso de adeus
Evandro Calafange de Andrade

Virei-me na cama
Passei a mão em teu travesseiro frio
Abri os olhos, vi o dia raiado
Sentei-me e vi a tua carta
Sobre o criado-mudo há alguns dias
Alucinado em deslumbre, deixei envelhecer
A fresca tinta sobre o papel desbotado.

Corri as linhas lentamente
Aquela prosa tocou-me
Em uma memória sentimental
Só, percebi que tudo foi ilimitado
A cada palmo do meu nariz.
Sim, curti os amigos demais
Farreei demasiadamente
Não fui capaz de limitar as circunstâncias
Benditas malignas e famintas d’alma embriagada.

Eu sempre fui o sujeito agente
Você, em segundo plano, paciente.
O nosso amor transitava direta e indiretamente
Em vias sinalizadas e com ponto final
Tantas vezes em preposição acidental
E após uns drinques, concretizava-se intransitivo,
Mas o meu complemento sempre deu você.

Não queria a luz
Estava envolto à escuridão
Doce mãe madrasta
Mas, pior que o nada, era não ter nada
Quando abrir a porta de casa.

Desespero ao perceber
Que, no sete, parou o ponteiro
Um ponto incapaz de ir fazer suas obrigações
Apenas marca o fim prematuro de um sorriso largo.
Satisfeito, passo a passo, percorreu ao ceifador
Sublime carrasco deitado sobre o orvalho enverdecido.

Sem pensar na próxima curva
Delicia-se do coração do amante
Cheio de fel, faca, vinho fúnebre,
Homicida da vivência
Passional
Matrimonial
Fraternal...
Diante do trem do adeus!
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESENHA CRÍTICA DO DOCUMENTÁRIO - MILTON SANTOS: POR UMA OUTRA GLOBALIZAÇÃO

Ator Global de "Além do Horizonte" se assumiu mesmo?

A nova safra de cantores sertanejos