Ficção ou realidade?


Gente, sei que já está um pouco tarde, mas não poderia deixar passar em branco dois fatos super marcantes exibidos esta semana nas novelas “Além do Tempo” (trama das 18h) e “Totalmente Demais” (trama das 19h).

É nessas horas que percebemos que às vezes fazemos coisas que só irão nos machucar, nos ferir tão profundamente que talvez não tenha como ser curado, por tal fato mudar radicalmente as nossas vidas.

Primeiro quero começar com a cena do acidente de carro da personagem Emília (Ana Beatriz Nogueira). Após não querer acreditar na verdade relatada pelo seu pai, temendo não poder perdoá-lo, a empresária procura a sua mãe, Vitória (Irene Ravache). E por mais que dentro de suas entranhas, ela saiba que Vitória não é a mãe cruel, a qual sente achou que era fosse; Emília não consegue perdoá-la, desligar o carro, sair dele e caminha até aquela mulher que se encontrava ali parada, querendo um forte e caloroso abraço da filha; quem sabe, abraçá-la em silêncio, ou, simplesmente, pedi-lhe perdão, daqueles do fundo do coração e cheio de verdade.

Ela resolve dá macha ré no seu veículo e ir embora sem dizer uma única palavra. No entanto, a vida é cheia de surpresas, assim como a ficção, a vida real pode nos surpreender. E ao tentar pegar o celular para ver quem ligava para ela, algo que jamais devemos fazer enquanto estivermos dirigindo, se ver em uma situação sem saída, a não ser jogar o carro para o acostamento, assim poderia escapar da colisão com os dois veículos que estão em sua frente, vindos em sua direção. Só que logo à frente há um precipício.

Já em Totalmente Demais, Fabinho (Daniel Blanco), movido por um ciúme sem muito fundamento, tenta prejudicar Jonatas (Felipe Simas) furtando os salários dos moradores da comunidade onde foi implementado um projeto da empresa da família do playboy. Só que a “brincadeira” foi séria demais. O que levou o pobre garoto honesto e ex-trabalhador das ruas para prisão. No entanto, sempre há anjos em nossas vidas; portanto, Jamaica (Gabriel Reif) com a ajuda de Leila (Carla Salle) fazem a verdade vim à tona. O Jonatas foi solto e o violãozinho conduzido à cadeia.

Abrindo um parêntese. A cena da prisão do personagem Jonatas foi emocionante. Ver aquele rapaz honesto e gente boa algemado e chorando, falando que era inocente, foi de cortar o coração. Emocionante mesmo.

Por conseguinte, o objetivo do texto de hoje é frisar a importância de sempre pensarmos nos nossos atos. Às vezes não podemos voltar atrás para consertá-los. No caso da ficção, Emília foi salva da morte por Felipe (Rafael Cardoso), Fabinho talvez não aprenda ao ser preso, quem sabe volte com mais raiva e perverso. Ou queira fazer tudo diferente, lutar pela admiração do pai de forma honesta e sincera.


Ademais, podemos tentar não fazer o mal, podemos procurar fazer o bem. Por mais que o ódio seja maior que as nossas convicções, que a nossa fé, que as nossas leis. Ser bom é mais que uma escolha, devemos isso a nós mesmo, para que não sejamos prejudicados ao prejudicar o outro.




Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESENHA CRÍTICA DO DOCUMENTÁRIO - MILTON SANTOS: POR UMA OUTRA GLOBALIZAÇÃO

Ator Global de "Além do Horizonte" se assumiu mesmo?

A nova safra de cantores sertanejos