As consequências dos atos de protestos na Cidade do Natal


PAGANDO O PATO
Por Evandro Calafange


Rodrigo SenaAlunos montaram sala de aula no cruzamento da Salgado Filho com Bernardo VieiraAlunos montaram sala de aula no cruzamento da Salgado Filho com Bernardo Vieira
Fonte: JORNAL Tribuna do Norte Online

A população natalense é quem paga o pato, ocasionado pela proliferação das graves Estaduais, Federais e Municipais no Rio Grande do Norte, precisamente a população da cidade do Natal.

Que os servidores, destes podereis públicos, têm razões claras e precisas para eclodirem uma manifestação, todos nós concordamos. Mas o de que discordamos são as consequências que estas greves ocasionam a população.

Na última sexta-feira, dia 23 de setembro de 2011, um protesto dos alunos do IFRN do Natal, bloqueando o tráfego no cruzamento das avenidas Salgado Filho com a Bernardo Viera, deixou a população sem saída. Os trabalhadores saíam do trabalho e só desejavam chegar as suas casas para descansarem e se alimentarem. Entretanto, foram obrigados a participarem do protesto. Portanto, eles enfrentaram uma hora de protesto, das 18h às 19h, dentro de veículos confortáveis para o de grande poder aquisitivo ou desconfortável para o de baixo poder aquisitivo ou em ônibus super lotados, em um calor infernal. O que é do conhecimento de todos os usuários do transporte público da Cidade.

Esse horário, denominado de “Horário de Pico”. É um verdadeiro martírio dia-a-dia. Com o trânsito fluindo normalmente. Então, imagine quando a realidade é contrária. A verdade é que os alunos tinham todo o direito de protestar. Mas será que a população, os trabalhadores, os usuários do transporte público de péssima qualidade tinham que pagar por mais essa manifestação? A resposta é clara e concisa, NÃO.

Lutem pelos os seus ideais, seus direitos; mas sem infringir os direitos dos demais. Concordamos com a luta de todos os servidores públicos, com os alunados etc. Mas não concordamos em ser prejudicados, não concordamos em sofre por mais de uma hora no trânsito estacionado nas avenidas do Natal, não concordamos com a interrupção do direito de ir e vim tranquilamente. Antes de protestarem, pensem se vocês têm o direito de prejudicar milhares de trabalhadores e famílias que só querem exercer os seus direito de chegar as suas casas depois de uma longa jornada de trabalho braçal ou similar.

Exerçam sua cidadania de forma justa, passiva e precisa. Contudo, não infrinjam o direito de nenhum cidadão para exigirem os seus.       
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESENHA CRÍTICA DO DOCUMENTÁRIO - MILTON SANTOS: POR UMA OUTRA GLOBALIZAÇÃO

Ator Global de "Além do Horizonte" se assumiu mesmo?

O PROTAGONISMO E A PARTICIPAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR