Crônica: A necessidade de ser sociável, por Evandro Calafange



A necessidade de ser sociável

By Evandro Calafange


Ao ser indagado sobre “O que tem mudado tanto os nossos conceitos ao comportamento humano em sociedade?”, eu me questionei e tentei me responde. Portanto, o que ficou claro, mas talvez, não tão preciso assim. Foi à questão sobre a necessidade de o ser humano ser sociável a qualquer custo. Não estou exagerando não. Quem tem acompanhado a mídia sabe do que eu estou falando. Não foi a toa que uma “Celebridade” forjou a sua própria morte. Fato esse que foi circulado por todo tipo de mídia. O amigo divulgou e a própria empresa que o falso defunto trabalhava ou trabalha. Agora, eu não seu mais. Era passado por causa da morte. Pode ser presente por está vivo. Fez até uma homenagem ao seu colaborador em um dos seus programas matinais. Esse sim quer ser sociavelmente, estupidamente, reconhecido pelo grande público.  
Nós vivenciamos um mundo capitalista e voltado para um universo, apelativamente, virtual. Viver nesse lugar, hoje, é ser uma pessoa que busca o seu espaço na sociedade. Mas quem pensa que à questão é só financeira, está redondamente enganado. O objeto do desejo humano é o poder ser socialmente aceito pelos grupos que compõem essa sociedade que não são capazes de diferenciar os conceitos de preconceitos, o que é certo do errado... Simplesmente, cada indivíduo quer o seu pedacinho, não do céu, mas da fatia de um grupo que faz e acontece na sociedade moderna. Por que não ser apresentado como uma “Personalidade da mídia”? Se não tem uma profissão, essa será tão digna quanto ser um ator pé de chinelo. Simples assim!
Só que muitos se perdem nesses comportamentos sociais da atualidade. E pensa, como qualquer outro cidadão estranho, que hoje, simplesmente, falta, para cada um desses indivíduos em busca de reconhecimento e de aceitação social, uma palavrinha, ou será que é uma palavrão?; É a chamada “Personalidade”, que em muitos cidadãos são apagadas e corrompidas pelo grande grupo social. Se um cidadão não é igual em suas atitudes e pensamentos, não é um ser capaz de compartilhar da amizade e da companhia dos demais. O que é uma lastima; uma vergonha social. Para viver em sociedade não devemos podar os nossos conceitos construídos em família sólida e em ambientes sociais infantis, como o início dos nossos tempos iniciais escolares. Ter personalidade é ser capaz de ser diferenciado e por que não aceitável por todos? Ser diferente não é ser um extraterrestre. É, simplesmente, ser uma pessoa digna de dizer NÃO para a impunidade, SIM para a diversidade e, principalmente, serem fiéis as suas convicções e fazer de suas escolhas uma forma clara e fiel de um bom democrática.
Pois bem, o que é ter personalidade, enfim? É ser devasso? É se expuser on-line e pessoalmente? Para quer ser uma pessoa do outro mundo, se nós podemos ser iguais a todos. Não é mesmo?
Nosso universo é a webcam, sempre em prontidão para todos nos conhecermos, sem demagogia. Mas eu bem me lembro que, em uma época, não tão distante, apareceram os irmãos Jonas, querendo manipular os grandes grupos sociais, já pré-formados e consolidados pelo tempo de existência; com a tal da castidade. Que nada! Nem eles mesmos continuaram acreditando nisso. E foram corrompidos pela sociedade moderna. Dois deles se entregaram a vida mundana e carnal, dos prazeres de ser adolescente e senhor dos seus próprios destinos. Um solitário seguiu em frente e com seus conceitos e sua personalidade intocável, fez de sua castidade uma virtude e de sua opinião uma vida sã. E, logo, um casamento construído em estruturas sólidas.
Contudo, a vida social não é só fazer dela uma vida regada de prazeres e relacionamentos devassos. É descobrir a liberdade interior e associá-la a exterior. É a construção do aprendizado da vida. São o intrarrelacionamento e a sua disfunção dos conceitos de uma pessoa saudavelmente cidadã. Todavia, não fique fazendo de sua vida uma inutilidade, seja você, também, sociável. Seja devasso, por que, não? Porém, não se deixe ser mais uma marionete nas mãos dos grupos sociais. Deixe sua personalidade prevalecer. Junte-se a todos e faça de sua capacidade de interação a diferença. Pois que não é influenciável e uma pessoa digna de ser classificada como um líder nato do seu próprio destino em sociedade.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESENHA CRÍTICA DO DOCUMENTÁRIO - MILTON SANTOS: POR UMA OUTRA GLOBALIZAÇÃO

Ator Global de "Além do Horizonte" se assumiu mesmo?

A nova safra de cantores sertanejos