Filme: Bruna Surfistinha




















O que esperar de um filme que fala da vida de uma garota de classe média, adotada, humilhada em seu lar, tida como um fardo, e ainda por cima excluída da vida social escolar e desmoralizada no âmbito educacional pelos colegas de sala por ter praticado, parcialmente, um "boquete" no garanhão da turma?

Na verdade não sei. Mas, os críticos vem pegando pesado na avaliação do filme. Só escapa a interpretação de Deborah Secco. Que está divinamente  bem na pele da Raquel, Bruna Surfistinha.

Mas, eu avalio-o de forma peculiar. Não sei realmente se essa é a palavra correta para definir o meu olhar cinematográfico sobre ele. Contudo, há algumas histórias que realmente queria apreciar mais no desenrolar da história da Bruna. Concordando assim com alguns críticos...

Uma delas é a do garanhão da turma da escola de Raquel. Será que ele não procurou mesmo por ela para terminar o que começou? afinal, ele foi, sem dúvida, nenhuma, o pivô do iniciar de Bruna na carreira de prostituta.

Esperei o filme todo para vê-los novamente. Afinal, tudo pode terminar como começou. Concordam caros leitores?





Outra história que também não saiu da minha mente foi a do irmão de criação de Raquel. Tá!, ele foi lá na casa de sexo, ela o atendeu e ele  a esculachou, jogou dinheiro na cara dela e foi embora. Mas será que ele não sentia algum desejo por Raquel ou até mesmo uma fantasia  pela prostituta Bruna Surfistinha? Acho que essa pergunta poderia ter sido respondida no desenrolar do filme. Se o fato está transcrito nas páginas do livro, O Doce veneno do escorpião, não sei porque não o li. E sem falar da vida matrimônial do seu primeiro cliente sexual e que se tornou seu esposo. A vida amorosa dele deveria ter sido narrada em paralelo a de Bruna. Afinal, ele é também a própria história da prostituta ou melhor dizendo, ex-prostituta. 


















Entretanto, eu recomendo vocês a assistirem o filme baseado no livro O doce veneno do escorpião no qual relata a vida da prostituta Bruna Surfistinha. Ele também mostra uma realidade cruel que destrói a vida de muitos jovens que não sabem como lidar com o sucesso. As más companhia que leva as drogas, o despreparo da juventude com a vida profissional e a falta de caráter de muitos aproveitadores.

É um filme brasileiro digno de um cinéfilo sair da sua vida confortável de sua casa e ir ao cinema prestigiar mais uma obra cinematográfica do nosso Brasil. 


Por Evandro Calafange.     
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESENHA CRÍTICA DO DOCUMENTÁRIO - MILTON SANTOS: POR UMA OUTRA GLOBALIZAÇÃO

Ator Global de "Além do Horizonte" se assumiu mesmo?

A nova safra de cantores sertanejos