Postagens

Em outros olhares, de Evandro Calafange de Andrade

Imagem
Em outros olhares Evandro Calafange de Andrade
Partiste sem promessa de voltar, Deixaste um vazio como morada em meu olhar E em cada estação, Principalmente em noites de verão, Saio sem destino, sem direção, Incansavelmente te busco em outros olhares.
Ao me deitar sinto teu toque Acariciando o meu rosto, meu corpo. Sinto calafrios durante as madrugadas E só me acalmo quando O meu corpo nu se aconchega no seu.
Os brilhos da manhã Ofuscam minha visão de um novo horizonte, Mas aquecem o meu coração Que suspira de recordações Daqueles passeios no campo verdejante Onde rolávamos a nos beijar. Tudo era lindo quando estávamos juntos. Só que a linha se rompeu E eu cai no abismo da desilusão.
Por dias fico a te encontrar No vazio de outros olhares.

Quando estamos só, de Evandro Calafange de Andrade

Imagem

Não mais, de Evandro Calafange de Andrade

Imagem
Não mais Evandro Calafange de Andrade
Há um certo momento em tua vida Que insistir na narrativa é perda de tempo. Afinal, quando acordamos, o espelho revela-te. Os sorrisos não te encantam mais, A alegria não te visita mais, O sol não aquece mais tua alma, A lua não te faz se apaixonar Nem por outrem nem por si mesmo, As noites frias são as únicas que te entendem, consolam-te, A solidão é tua eterna amiga. Percebes também que não há mais sentido no caminhar, Pois não há mais caminhos para ser trilhados. Apenas o fim se fez presente E tu se fizeste ausente. Até porque os teus olhos não têm mais lume vital. Teu corpo não é mais vigoroso. Tua mente te perturba E sabes que o teu sossego está naquela porta aberta. ― Vá em frente sem medo de olhar para trás! Porque lá atrás ficaram tuas dores. Aquelas que por dias te machucaram. Elas, tu as mataste sem dó e piedade Em cada percurso de uma lágrima em tua face. Vamos, sorria! Veja! É alegria voltando para ti. Porque, finalmente, agora és liberdade No simples vociferar A…

Poemas de Evandro Calafange de Andrade

Imagem
Os poemas a seguir fazem parte da obra "A Quadrilha do Meu Coração", de Evandro Calafange de Andrade, composta por 40 poemas autorais. A obra foi disponibilizada nas plataformas "Amazon" e "Issuu", esta em 2019 e aquela em 2018.  







É fato. É notícia. [Homofobia]

Imagem

Ponto final, de Evandro Calafange de Andrade

Imagem
Ponto final Evandro Calafange de Andrade
Não tem dia que não seja de luta: Levanta-se! Vista-se! Alimente-se! Por mais que essa não seja a sua vontade.
Caminha-se até a civilização, Abre o sorriso, Dá uns apertos de mão, Transmita naturalidade. Por mais que essa não seja a sua vontade.
Um sorriso na face É a rotina demasiadamente sofrida Não expressa originalidade. É fake! É parte de uma mascaração Bem longe do carnavalesco. Mas, deve-se continuar firme a seguir. Por mais que essa não seja a sua vontade.
Uma imposição social, Uma desfaçatez genuína, Uma sociedade deveras individualista, Sem preocupação, sem compaixão. E eu, na verdade, nós, vestimos normalidade. Por mais que essa não seja a sua vontade.
A verdadeira face do meu ser Só quer um singelo ponto final Sem alarde do apagar das luzes teatrais. Por essa ser a minha real vontade.